Flavio Cruz

Rimas fatais


Não importa o que pensamos,
o
quanto amamos,
o
que sabemos.
Somos a matéria em movimento,
partículas
sopradas pelo vento,
a vida em andamento.
Um experimento do Universo,
do
paralelo o reverso,
inúteis
rimas sem versos.
Almas num cérebro
vazio,
sensações em
que não confio,
uma carga inútil num navio.
Somos o infinito com
fim certo,
o finito no céu
aberto,
uma caravana no deserto.
Desejos megalomaníacos,

corpos sedentos do afrodisíaco,
uma constelação fora do zodíaco.
Somos um nada
sedento de Deus,
fingindo que somos ateus,
tentando atingir o apogeu.
No
entanto, cá estamos nós,
tal qual nossos avós,
desatando nossos próprios nós.
E um
dia, o fim vai chegar,
e com uma fúria invulgar,
tudo o que somos, vai levar.

 

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Flavio Cruz.
Published on e-Stories.org on 06/04/2015.

 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

Does this Poem/Story violate the law or the e-Stories.org submission rules?
Please let us know!

Author: Changes could be made in our members-area!

More from category"Life" (Poems)

Other works from Flavio Cruz

Did you like it?
Please have a look at:

Vida, vida minha - Flavio Cruz (General)
Stars - Christiane Mielck-Retzdorff (Life)
Growth - Inge Hornisch (General)