Antonio Justel Rodriguez

EVOCANDO OSIRIS

 
... ao arder atravesso o desagrado de ser,
em meio a um mundo em chamas, o deus ruge;
são pedaços de instantes, horas, anos e idades rolando, purificando,
há gritos de dor e sombras fugindo, barulho e tristeza,
e forças que vieram da raiz do tempo para me destruir
e cobrir meu peito e ser total ruína e sede;
... enquanto isso está acontecendo, eu paro e protejo o corpo em um banco do parque
porque estou perdendo meus pés e mãos, minha cintura, meu rosto, minha paixão,
e o vento os leva embora;
Carros passam, mas não são carros, nem pássaros são pássaros,
nem as rosas do jardim são rosas;
e não há hostilidade ou ordens blasfemas, apenas corpo caído e derrotado
do meu amado e velho ser, aquele com quem empreendi uma viagem profunda, séria e longa
para a terra de pedra e ressurreição;
… Como Osiris, quando a noite terminar, minha alma irá buscar e coletar seus tesouros
e, escondendo-os, ele irá embora;
... mas antes, a tarde desmembrada - onde o sol brilha, brilha e ainda resiste -
os pássaros rodopiam e lá vou eu;
… E não, não haverá medo, a luz sempre liberta.
***
Antonio Justel Rodriguez
https://www.oriondepanthoseas.com
***

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Antonio Justel Rodriguez.
Published on e-Stories.org on 11/25/2021.

 
 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

More from this category "General" (Poems in portuguese)

Other works from Antonio Justel Rodriguez

Did you like it?
Please have a look at:


THAT LAST - Antonio Justel Rodriguez (General)
Birds of Paradise - Inge Offermann (General)
TELL ME, PLEASE TELL ME - Marlene Remen (Friendship)