Antonio Justel Rodriguez

ODE AO AR



... bate e treme o ar,
brilhar, viver;
há nele como um arrebatamento para cima,
Como êxtase profundo
como uma chama ardente de levitação;
oh, oh se você pudesse observar comigo este halo de luz inimitável,
esse traje dourado, sua estética, o infinito da alma;
... em que momento, digo eu, em que instante de puro amor se incendeia e se eleva,
que tudo dá e tudo imprime como uma certa rubrica de que esquecer é vão;
Viver misterioso é este sem saber nem ver, como se fosse couraça, como se escudo ou abismo escuro,
qual lei de pedra, qual rigor e fé, qual severa e dual, qual áspera e dura hospedaria ou hospedagem;
...e ainda este esplendor,
a arquitetura desse vôo sutil e etérico,
junto com uma voz de fogo interior que explode com força poderosa,
cantando e queimando com um verbo enérgico e corajoso, divino e redentor;
... não, nenhuma mulher, nenhum homem jamais será um lótus morto,
de que outra forma essa sublimidade total,
esta enorme alegria,
esta floração,
esse gênio,
este rosto magnífico,
esta contemplação exaltada de textura inefável e batimentos cardíacos imortais.
***
Antonio Justel
https://www.oriondepanthoseas.com
***
 

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Antonio Justel Rodriguez.
Published on e-Stories.org on 09/22/2022.

 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

Does this Poem/Story violate the law or the e-Stories.org submission rules?
Please let us know!

Author: Changes could be made in our members-area!

More from category"General" (Poems)

Other works from Antonio Justel Rodriguez

Did you like it?
Please have a look at:

COME ERA L'AMORE - Antonio Justel Rodriguez (General)
Birds of Paradise - Inge Offermann (General)
Pour une fille - Rainer Tiemann (Emotions)