Geyme Mannes

Aprender e reaprender o amor!

Nunca gostei dos artigos que falam que o amor é um sentimento flutuante num oceano de rosas, sobre dar e receber, ida e volta, histórias de amor com finais felizes... Acredito no amor, o sentimento existe, ou talvez apenas a palavra que denomina o sentimento que envolve o coração (outro órgão que poderia ser substituído). E se ao invés de falarmos de coração, falássemos de cérebro, por exemplo. Hein???? Claro, se fossemos acostumados a pensar que é o cérebro (e não o coração) o órgão possuidor e administrador deste sentimento intitulado "amor". Ora, pois! É com o cérebro que administramos os sentimentos mais fortes, paixão, ciúme, ódio... Com o coração só fazemos bobagens, mas é claro, do coração advêm os atos emocionais e afetivos. Do cérebro vem à racionalidade sempre indispensável no cotidiano do amor.

Para amar é necessário a bilateralidade, ou seja, quem ama sozinho ama os teoremas de Platão, quem ama sozinho não ama a si mesmo, é necessário uma outra parte que nos devolva o amor. Só assim podemos voltar ao velho dilema de dar e receber, ir e vir, tolerar e ser tolerado. O amor é dose dupla! Duas pessoas! Todos sabem que triângulos amorosos não dão certo. Amar não é fácil como lemos nos jornais e revistas, nos filmes e novelas. Para finais felizes, é necessário fazer graduação e especialização. Sermos mestres e doutores. Sem pseudos demagogias, considero o amor uma dádiva até que venham os outros sentimentos que envolvem a palavra "amor". Já falei, amar é maravilhoso, mas é preciso saber amar! Este impulso geralmente vem acompanhado de ciúmes e outros incômodos sentimentos. O ciúme é a soma ou a multiplicação de nossos próprios medos. Criamos a monogamia, queremos uma pessoa só para nós, às vezes conseguimos de fato, mas voltamos a desconfiar. A desconfiança não é uma invenção, invenção foi termos criado a infidelidade, daí a justificativa da desconfiança. Deixou-nos Freud o aprendizado: Quem ama sofre, pois  sem mais, tem medo de perder. Disse-nos Friedrich Nietzsche: O amor não existe, o que existe é o prazer que o outro nos proporciona, uma vez que nos deixem de dar prazer nos afastamos, vamos embora, damos no pé. Isso acontece inclusive entre pais e filhos, nas relações que chamamos de amor incondicional!

O amor pode dar certo até que a morte nos separe dele, ou, até uma ofensa, a indiferença, a falta de diálogo, a exigência daquilo que não podemos dar, a desorganização do sentimento, quando descarregamos  nossas frustrações em cima da pessoa que dizemos amar... É indispensável o cérebro como a placa mãe do amor! Dosar a paixão, impulsos de ciúmes, vícios descontrolados, intolerância! Avaliar a cada passo nossas próprias atitudes para só após julgar o outro. Amor não anda na contramão. Dos sentimentos mais profundos recebemos de verdade aquilo que damos. Se damos demais e nada recebemos em troca é porque talvez apenas consideramos que damos algo sem nada dar, ou, a outra parte não tem nada a oferecer.

Amor é, sobretudo, companheirismo, prazer em estar juntos, deleite em compartilhar  pequenas coisinhas, grandes momentos, situações inesperadas.  Saber ouvir mais que falar, compreender ainda que não compreendamos. Amor é ser paciente.  Amor é camaradagem!

Se fazemos deste sentimento um fardo de brigas e intrigas, um instrumento de rivalidade e competição, nada sabemos sobre ele.

Fez-se a hora de voltar à faculdade para aprender a reaprender!

 

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Geyme Mannes.
Published on e-Stories.org on 06/19/2009.

 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

Does this Poem/Story violate the law or the e-Stories.org submission rules?
Please let us know!

Author: Changes could be made in our members-area!

More from category"Life" (Short Stories)

Other works from Geyme Mannes

Did you like it?
Please have a look at:

Falando sobre civilização! - Geyme Mannes (Everyday Life)
A Long, Dry Season - William Vaudrain (Life)
El Tercer Secreto - Mercedes Torija Maíllo (Science-Fiction)